Friends are not FOOD

Friends  are not FOOD

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Real life as a narrative


One of the first subjects we, inspiring writers, study since the very beginning of our literary journey is the narrator’s view point, the focalization.  Who my narration is going to focus on?  Am I going to tell this story under  which character perspective?  Whose problems, interests, and problems will be my focus?  Who do  I want my reader to empathize for ?
The writer thinks, rethinks and focus on the richer character, on the one that will yield him more interesting scenes.
Nevertheless, the choice of the focalization is not something only reserved to literature. This technique is here in real life. These choices are made daily when they report news, facts, and situations. Different from the author in his book, this choice will not be innocent, though.  There are several interests behind the manipulation of masses, and in many occasions, these are not the same as yours.
The reader, or if it is on television, the television viewer,   has to be aware of this trick or technique when he comes across current reports.
Before taking a global view, before hating anyone, try to wear his shoes.  Try to see the other version; try to understand the other focus.  There are always two versions about the same fact.
You can also think: Who benefits from this focus? When analyzing the situation from this perspective and have this position, who do I actually benefit? Sometimes you benefit those who want you to think the way they do.

A Vida como uma Narrativa



Um dos aspectos que nós, aspirantes a escritor, estudamos desde  os primórdios  é o ponto de vista na narração,  o focalizador.  Em quem vai focar a minha narrativa? Sob a perspectiva de qual dos meus personagens  vou contar a história?  Vou salientar  os problemas, os interesses, os pensamentos de quem? Vou querer que o meu leitor  simpatize com qual personagem?
O escritor pensa, repensa  e  foca  no personagem mais rico,  naquele que vai lhe render cenas  mais  interessantes.
Mas a escolha do focalizador não é algo reservado somente  a literatura. Essa técnica está  na vida  real também. A  televisão, o rádio, os  jornalistas fazem essas escolhas  diariamente ao  noticiar  fatos, relatar situações. Mas ao contrário do escritor em seu livro, essa escolha não será inocente. Há muitos interesses  por trás da manipulação de massas, e muitas  vezes  esses não são os mesmos seus.
O leitor, e se for na televisão, o telespectador,  tem que estar muito consciente desta artimanha, ou técnica ao se deparar com reportagens atuais. 
Antes  de  tomar qualquer posição, antes  de  odiar alguém,  tente se colocar no outro lado. Ver outra versão, entender outro foco. Sempre há duas versões para  um mesmo acontecimento.  
Também pode  se pensar:  A quem beneficia esse foco?  Ao analisar essa situação desse ângulo e me posicionar  assim, beneficio a quem? Às vezes aqueles que querem que você pense  como eles...
 



quarta-feira, 11 de abril de 2018

Batalha nas Redes Sociais - FACEBOOK


Está bem difícil a nossa  vida  nas redes sociais. O facebook  se transformou numa arena onde as pessoas  resolvem problemas.  Digitam o que querem, ofendendo a outra parte, fazem toda  a  sorte de ameaças, protegidos pelo escudo   da tela. A antiga e cordial maneira de ir à casa do “adversário”, conversar frente a frente,  ou quem sabe, pelo menos,  ligar para  o número de  telefone dele  e resolver, saber realmente o que houve, ouvir  sua versão, ou outras testemunhas, não existe mais.  A moda agora é ir à sua página de  facebook despejar ódios, desabafar desavenças, dizer o que bem entende. 

O Facebook virou um palco para covardes. Às vezes  citam, criticam seu nome, sua pessoa, sua empresa e você só fica sabendo  quando amigos  preocupados com sua reputação  colam a postagem no seu whatsapp. Falta-lhes a coragem, quem sabe, para  colocar o  @  na frente do  nome,  para que  você possa visualizar e  se defender, dar a sua versão dos fatos. 

Atualmente, temos que ter medo  de externar nossas ideias  no facebook. Eu, particularmente, não expresso mais nenhuma opinião.  Às vezes  dá aquela vontadinha de  dizer algo para todos ouvirem, mas logo penso melhor e desisto. Não é  ofensa, não é indireta ( como muitos fazem) , é apenas  vontade de dizer algo.  Mas  tem que estar consciente: Tudo,  tudo o que você  disser ( escrever)  será posto contra você e  pode  SIM, geral polêmica.

Se  eu disser, por exemplo apenas que gosto de vermelho. Conhecidos, amigos, outros que nem sei quem são, mas estão ali vendo minhas postagens ”  vão cair em cima de mim com reprimendas, dizendo que  a cor  que  todos  têm que gostar é azul, ou amarelo, ou preto.

Cenário de invejas, as fotos postadas só servem para atiçar  a ira do outro que vê as imagens no seu computador. Viagens que você nunca fez,  lugares que talvez nunca terá a chance de visitar, corpo escultural que você nunca terá, comida que você nunca comeu, restaurantes que você somente sonha em frequentar...  Tudo isso atiça uma inveja, ateia uma faísca dentro de quem vê  a imagem que nada mais segura. Lá vão eles digitar impropérios, escrever  o que bem entendem...Se  se arrependem, depois, se  causou polêmica, deletam a postagem. Simplesmente deletam. Deletar é fácil.  Tudo bem... Tudo bem? E    se alguém  fez print... Se alguém colou a imagem, quero dizer...

Com relação a partidos políticos, não se pode dizer nada!  As pessoas  te “colocam fora” porque  você tem uma visão  diferente delas.   Considero que os escritores, formadores  de opiniões  de facebook, estão pegando pesado. Se não gostam de determinado político, já desejam sua morte, querem ver determinada figura dura, esticada, num caixão  como se isso resolvesse TODOS os seus problemas financeiros, como se isso te levasse para aquele  hotel maravilhoso que você viu na foto do outro, como se você fosse  ficar linda e perfeita  como aquela  outra que passa  horas  na academia e tem dinheiro para  procedimentos cirúrgicos  e ácidos hialurônicos Difícil...
.
Portanto, cuide  o que posta no facebook.  Até mesmo dizer se gosta ou não gosta de algo já é motivo  para  apedrejarem você  com frases e verbetes que o deixarão arrasado.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Depoimento da amiga de longa data e Veterinária Cláudia Stoffel, da Clínica Bichos&Cia

Assim como acompanhei o crescimento e o amadurecimento da Sissi como Médica Veterinária, tive a oportunidade de, concomitantemente, acompanhar o desabrochar de uma escritora. Aquele leitor que tiver o privilégio de ler em sequência todos os cinco volumes da coletânea “Em Busca de Um Mundo Melhor” onde Sissi é a narradora, concluirá que é "visível" a evolução do texto de Sinara Foss.
Todos os aspectos são elogiáveis: criatividade, vocabulário, clareza, mensagem e etc.
Tudo na vida se cria, tem seu ápice e perece. Assim foi a vida feliz de Sissi e será a de todos nós.
Esperemos apenas que esta autora continue a nos presentear com a imortalidade de seus escritos.

Cláudia Stoffel; Vet Bichos E Cia

domingo, 21 de agosto de 2016

Depoimento de Rosane Correia da Silva ( professora patrulhense)

Sou professora, apresentei Memórias de um Cachorro Velho para meus alunos e eles se encantaram. Acredito que nas mãos de uma criança o livro pode ensinar muito... Ensiná-la a se por no lugar do próximo na hora de tomar uma decisão, a como tratar melhor os animais, inclusive a como se tornar uma pessoa melhor. O primeiro livro da Sinara apresenta a história de um cãozinho que passa por maus bocados até encontrar um lar, vê dor e maldade até poder finalmente se deleitar na felicidade de ter uma família que o ama. O livro também nos provoca, a fim de nos colocarmos no lugar dos cachorros de rua, a entendê-los, a saber como vivem e como são tratados. Após a leitura, mudei o jeito como olho para meus cachorros e até a maneira de agir com eles.
Lendo O Entardecer de Sissi, que completa a coleção Em busca de um mundo melhor, da Sinara Foss, posso dizer que este cumpre sua missão, nos trazendo aprendizado para a vida, nos ensinando tanto sobre os animais, quanto sobre o meio ambiente, e até sobre nós mesmos. Através das historias contadas, dos momentos difíceis e de alegria, pude refletir sobre esses temas tão importantes, e é através da reflexão que podemos aprender. Agora conhecemos novos bichinhos, e mais uma vez sofremos e nos divertimos junto com eles. O livro é tocante e nos contagia com a preocupação, afeto e compaixão que a cachorrinha Sissi tem pelos animais e com o mundo. “O Entardecer de Sissi” tem a intenção de nos fazer acreditar e buscar um mundo melhor, e ele faz isso com maestria.

Recomendo a todos!

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Depoimento de Cristine Martin, sobre "O Entardecer de Sissi"



"Com o livro O Entardecer de Sissi, chega ao fim a série de livros narrados pela querida cachorrinha amarela. Tive o prazer e a honra de participar da edição da maioria dos livros, e adorei as histórias. Como já conhecia os peludos da Sinara, pelo menos pela Internet, foi gostoso vê-los ganhar vida nas páginas dos livros, e me diverti com as travessuras.
Mas a série não tem só diversão: Sinara trata de temas importantes e necessários, preocupada como é com o bem-estar dos animais. Adoção, castração, abandono de animais, além de ecologia, pobreza e poluição, também foram discutidos nos livros.
Sissi era uma cachorrinha muito preocupada com o mundo em que vivia, e gostaria que sua mensagem fosse ouvida e que as pessoas fizessem a sua parte para deixar o mundo melhor. Neste livro, ela se pergunta se isso aconteceu. Se, ao chegar ao fim de sua vidinha, ela conseguiu despertar nos corações das pessoas a preocupação com os bichinhos, a consciência de que precisamos cuidar do nosso planeta, a vontade de sermos pessoas melhores e deixarmos, como ela, um bom legado.
Sissi teve uma vida longa e rica; alegrou a família com quem viveu, os amigos que a conheceram pessoalmente ou apenas de longe, os leitores que foram tocados por sua história. E, como um trabalho "de formiguinha", a cada pessoa que vir sua foto tão linda nas capas, se interessar e ler os livros, será mais um passinho dado em direção a um mundo melhor, em que os direitos das pessoas e dos animais sejam respeitados, e em que a voz de uma cachorrinha amarela e pequenina faça a diferença."



___

Depoimento da escritora e poeta Terezinha Lanzini sobre "O Entardecer de Sissi"


A escritora Sinara Foss é motivo de orgulho para sua cidade, sua família, para todos que amam e respeitam os animais e, sobretudo, para eles, indefesos, irracionais, mas com sentimentos verdadeiros, em muitos casos, mais humanos que dos próprios seres humanos.
O primeiro livro que li da autora, "Memórias de um Cachorro Velho", conta as dificuldades, os sofrimentos por que passou até sua velhice. não tem como não se emocionar. Acompanhei as histórias de Sissi e seus amiguinhos peludos.
Agora com " O ENTARDECER DE SISSI", conheci através de seus relatos e das fotos, os integrantes da família: Janinho, Chokito, BamBam, Flora, Duque ( do passado) triste a história dele e o Duque com final feliz. Henry, Tobby e os felinos Milla, Victor e Pantufa e Birdie.
O legado de Sissi viverá na memória e atitudes de quem ler e se conscientizar da pureza dos sentimentos dos animais.
Carta de Sissi para Sinara e Isadora.
Esta é uma pequena carta de agradecimento. Afinal, vivi todos estes anos bem vividos entre meus irmãos de quatro patas, correndo na relva ao redor da casa entre arbustos e flores, tendo sempre água fresca, comidinha gostosa, colo e muito carinho. Fui sempre bem cuidada, cheirosa e com laço de fita no cabelo. Quero dizer que todos têm um limite de vida. E o meu chegou. Me sinto lisonjeada. Me deram o nome de uma imperatriz que viveu na Áustria e Sinara escreveu livros contando minha história. Fiquei linda na foto de capa em "Divagações de Sissi".
Há dois dias, encontro-me em uma viagem leve e colorida como se uma borboleta fosse. Vou esparramando papeizinhos brilhantes de amor e. agradecimento para as pessoas que me amaram. Agora, passaram dois pássaros. Pedi a eles que segurassem uma faixa branca na qual escrevi com um pouco de tristeza e saudade: " Obrigada mamãe Isadora e mamãe Sinara. Se fui feliz, devo muito a vocês.
Estou entre estrelas, nuvens e um céu mareado de azul.
Ass:
Sissi Yellow
26 de dezembro de 2015
( * Sissi desencarnou dia 24) *Nota